sábado, 14 de outubro de 2017

Carta Pastoral 070 - Precisamos Pregar!


Carta pastoral – Outubro de 2017 – ano II – 070

Série “Viver Cristo em tempos de crise”

“Precisamos pregar!”

Textos para ler: 2Rs 6.24-7.20

Queridos e amados irmãos, que a graça e paz do Senhor seja sobre sua vida e sua família.

O que temos presenciado em nossa nação nesses dias é no mínimo preocupante e estarrecedor. Já não bastasse os projetos de lei para deturpação dos valores familiares e padrões sexuais estabelecidos por Deus, agora estão usando os museus para disseminar a promiscuidade e a depravação sexual infantil, e com o apoio e financiamento do governo e da mídia. Poderíamos falar aqui de diversos temas que esses fatos nos levam a refletir, mas me limito a um que é de suma importância – PRECISAMOS ANUNCIAR O EVANGELHO!

Para nossa reflexão, vamos nos embasar no texto que fala do “cerco de Samaria”, traçando um paralelo com os dias atuais:

1.      O cerco de Ben-Hadade a Samaria e o cerco de Satanás e seus exércitos ao mundo

Assim como Ben-Hadade cercou Samaria, Satanás tem cercado o mundo. A Bíblia diz que Satanás é o “príncipe deste mundo” (Jo12.31; 14.30; 16.11) e o “deus desta era” (2Co 4.4), ou seja, ele tem autoridade sobre o mundo e sobre a presente era. Ela também diz que “o mundo todo está sob o poder do maligno” (1Jo 5.19).

2.      As consequências do cerco de Ben-Hadade e as consequências do cerco de Satanás

O texto de 2Rs 6.25-33 apresenta algumas das consequências causadas pelo cerco de Ben-Hadade:

·       Fome (v.25);

·       Miséria e inflação (v.25);

·      Desespero, inversão de valores e barbaridade (vv.26-29);

·      Crianças sendo vitimadas (vv.28-29);

·       Indignação contra Deus (vv.30-33).

Semelhantemente, o cerco de Satanás ao mundo também tem causado problemas. A Bíblia diz que ele veio para “roubar, matar e destruir” (João 10.10). Eis alguns dos problemas do mundo de hoje:

·      Miséria e desespero;

·      Inversão de valores e barbaridades;

·      Destruição das crianças e da família;

·      Incredulidade e murmuração;

·       Violência e doenças.

3.      A palavra de esperança do profeta Eliseu e a palavra de esperança do Evangelho de Cristo

Em 2Rs 7.1, está registrada uma palavra de esperança dada pelo profeta Eliseu em meio àquelas circunstâncias. Ele disse: “Ouçam a palavra do Senhor! Assim diz o Senhor: ‘Amanhã, por volta desta hora, na porta de Samaria, tanto uma medida de farinha como duas medidas de cevada serão vendidas por uma peça de prata’” (2Rs 7.1).

Semelhantemente, no Evangelho de Cristo, há uma palavra de esperança para o mundo. Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundancia” (Jo 10.10). A Bíblia diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo 3.16.

4.      Os quatro leprosos que encontram provisão e aqueles que encontram o Reino de Deus

O texto de 2Reis 7.3-8 nos relata que quatro leprosos encontraram comida, bebida, vestes e riquezas ao se depararem com o acampamento dos arameus abandonado e entrarem livremente em suas tendas. Assim também, todo aquele que encontra o Reino de Deus é provido de vida plena, conforme as palavras de João 10.10 e João 3.16, ou seja, tem todas as suas necessidades supridas (espirituais, emocionais, físicas, etc).

5.      A decisão de compartilhar a boa notícia com Samaria e a decisão de compartilhar o Evangelho do Reino de Deus com aqueles que estão perdidos

Em 2Rs 7.9-11, estão registradas palavras importantíssimas acerca dos quatro leprosos: “Então disseram uns aos outros: ‘Não estamos agindo certo. Este é um dia de boas notícias, e não podemos ficar calados’. Aqueles quatro leprosos perceberam que não seria correto ficarem calados e não compartilharem a boa notícia daquela grande provisão com Samaria, usufruindo dela sozinhos. Eles deveriam contá-la o quanto antes ao rei, de modo que todo o povo pudesse participar daquela grande benção! Semelhantemente, todo aquele que encontra o Reino de Deus e passa a usufruir de seus benefícios não pode ficar calado! Se assim o faz, não está agindo certo! O Evangelho do Reino de Deus deve ser compartilhado com todo o mundo sem demora, imediatamente! Jesus disse: “Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas” Mc 16.15.



A partir do que foi dito, podemos chegar às seguintes conclusões:

·         Satanás e seus demônios têm cercado e oprimido o mundo, causando-lhe prejuízos;

·         Há muitas pessoas neste mundo sofrendo com essa opressão e prejuízos;

·         No Evangelho do Reino de Deus, há uma palavra de esperança para essas pessoas que tem sofrido;

·         Muitas pessoas têm crido nesse Evangelho e, por isso, são libertas da opressão e passam a ter uma vida plena;

·         Outras pessoas não creem no Evangelho e, além de permanecerem na opressão, serão condenadas por causa da incredulidade;

·         Aqueles que foram libertos da opressão e passaram a ter vida plena por causa do Evangelho devem compartilhá-lo, o quanto antes, com aqueles que ainda não o conhecem.

Vamos pregar o Evangelho pois essa é nossa missão e obrigação! 1Co 9.16. Em Cristo Jesus, esperança do mundo. Até a última casa!
                                                                                                        Pr. Luiz Antônio

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Carta Pastoral 069 - Como está o seu coração?


Carta pastoral – Outubro de 2017 – ano II – 069

Série “Viver Cristo em tempos de crise”

“Como está o seu coração?”

Textos para ler: Mt 15.10-20; Pv 4.23; Fl 4.7; Hb 4.12-13

Queridos e amados irmãos, que a graça e paz do Senhor seja sobre sua vida e sua família.

Ainda perplexos com a tragédia ocorrida nos Estados Unidos, quando um senhor de 64 anos atirou contra uma multidão, matando 59, ferindo outras 500 pessoas e se matando em seguida, fomos surpreendidos com mais uma tragédia, agora na cidade de Janaúba, norte de Minas, onde 6 crianças e uma professora morreram queimados juntos com o suicida, um outro senhor de 50 anos de idade. Algo que nos chama a atenção nesses casos, é o fato de que os dois homens não tinham um histórico de violência e assassinatos. Eram pessoas consideradas normais em suas condutas, mas que vinham premeditando toda atrocidade que cometeram com pessoas inocentes. Vemos que toda a barbárie foi fruto de um sentimento de ódio, revolta e violência nutrido no coração a muito tempo.

Foi pensando nisso que o Espírito Santo me levou a meditar sobre o nosso coração. O que temos guardado em nosso coração? Quais os desejos e sentimentos têm sido alimentados em nosso interior? Vamos refletir um pouco sobre esse tema tão relevante e que deve ser levado a sério por todos nós:

1.    É onde tudo começa Mc 7.20-23. Jesus, por repetidas vezes nos chama a atenção para cuidarmos do nosso coração. Ele nos mostra que mesmo não havendo o ato consumado, somos contaminados por aquilo que guardamos e alimentamos em nosso interior Mt 5.28. Em Pv 4.23 somos ensinados a guardar o nosso coração dos maus desígnios, pois é dele que procedem as fontes da vida. Quantas pessoas, embora não tenham cometido crimes, o seu coração e mente reproduzem os mais terríveis sentimentos e pensamentos. Pensam que pelo fato de ninguém saber, e por não terem praticado o ato, não se preocupam em guardar no coração, impurezas como a inveja, o ódio, a amargura, desejos de vingança, depravações sexuais e outros males.

2.    Onde começa a limpeza Sl 51.10. É justamente onde os males começam, que é necessário começar a purificação. Se desejamos uma vida transformada e liberta do pecado, devemos permitir que o Espírito Santo comece a limpeza de dentro para fora Jr 4.14; Tg 4.8. Não adianta mudar o jeito de se vestir, de falar e as práticas, se não mudar o coração e os pensamentos Rm 12.2; Ez 18.30-31. Em Dn 2.22 e Sl 139.1-4 vemos que o Senhor é o único que nos conhece por inteiro e não há nada que possamos ocultar dEle.

3.    Como manter o coração puro Sl 119.11. Um coração alimentado pela palavra de Deus não tem espaço para os maus sentimentos. Esse alimento deve ser constante e diário. Todos os dias somos afligidos e atacados pelo mal, passamos por aborrecimentos e decepções, pessoas nos entristecem, ouvimos e vemos o que não presta, mas uma faxina diária é necessária para que não haja acúmulo de sujeira em nosso coração Hb 10.22.

O Espírito Santo deseja promover uma limpeza completa em nosso interior e manter-nos limpos de toda impureza, pois somente com um coração limpo poderemos ver o Senhor Mt 5.8. Vamos orar pelas famílias das vítimas e para que outros com os corações contaminados não venham cometer mais atrocidades. E que possamos levar ao mundo o Evangelho de Cristo que transforma o mais vil pecador em instrumentos de justiça, amor e paz. Em Cristo Jesus, esperança da Glória. Até a última casa!
                                                                              Pr. Luiz Antonio

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Carta Pastoral 068 - Minha vitória é a sua vitória



Carta pastoral – Outubro de 2017 – ano II – 068
Série “Viver Cristo em tempos de crise”
“Minha vitória é a sua vitória”
Textos para ler: Sl 73; Rm 12.15-16; Pv 14.30; Gl 5.19-21
Queridos e amados irmãos, que a graça e paz do Senhor seja sobre sua vida e sua família.
Nessa semana o Cruzeiro foi campeão da Copa do Brasil e se tornou um dos times que mais vezes ganhou essa competição. Pelo barulho que os torcedores fizeram, pensei que tinham ganhado um mundial - mas deixa pra lá. O que sempre observo, é que, embora a final tenha sido disputada com o Flamengo, a maioria das provocações são entre cruzeirenses e atleticanos; os principais adversários. Algo muito comum no futebol, é torcer para que seu time seja campeão e que o time rival se afunde cada dia mais. Em muitas situações, se torce mais para que o rival perca do que o seu time ganhe.
A exemplo do que acontece no esporte, corremos o risco de ter a mesma conduta na vida – HÁ PESSOAS QUE SE ALEGRAM MAIS COM A DERROTA DO OUTRO, DO QUE COM A PRÓPRIA VITÓRIA. Um dos males terríveis que tem destruído vidas como um câncer, é a inveja. Vamos refletir sobre alguns fatores e pedir a ajuda do Espírito Santo para que nossa vida não seja dominada por essa obra da carne e nossa conduta seja de acordo com a Palavra de Deus:
1.    O que eu tenho é o bastante Sl 73. Asafe nos traz preciosos ensinamentos nesse Salmo diante daquilo que ele viveu. Por um momento, ele tirou os olhos do que ele tinha, que era a presença e o cuidado de Deus, e passou a olhar o que os ímpios possuíam. Quantas vezes nos abatemos por não termos o que o outro tem, e nos esquecemos que o que temos é muito melhor. Se você está lendo ou ouvindo essa carta é porque Deus tem cuidado de você. Se alegre e se contente com o que Deus já te presenteou. Valorize os bens preciosos que Ele te deu; a família, os amigos, o alimento diário e o melhor – a Salvação em Cristo Jesus.
2.    Com quem estou competindo? Gn 4.1-8. A conhecida história de Caim e Abel nos aponta para uma realidade muito presente em nosso tempo, a competição. Percebam que Caim se preocupou mais com a aceitação da oferta de Abel, do que com os motivos que levaram Deus de rejeitar a sua. As vezes nos dá a impressão de que as pessoas estão a todo tempo em competição. Se um compra uma roupa nova, o outro se vê na obrigação de comprar também, se um está namorando, o outro entra desespero, se um conquistou algo, o outro abandona seus objetivos para ir em busca daquilo também, mesmo que não seja algo importante pra ele, mas apenas para mostrar que também tem ou consegue. Precisamos entender que não estamos em concorrência ou competindo com ninguém. Devemos nos alegrar com as conquistas e vitórias do nosso próximo e se não estamos conquistando, buscar ajuda, ao invés de prejudicar o outro.
3.    Cavar ou entulhar? Gn 26.12-15.  Ao ler a história de Isaque na terra de Gerar vemos como os invejosos são impedidos de progredir. O mesmo trabalho e esforço físico que se tem para cavar um poço, se tem para entulhar. O tempo e esforço que os filisteus tiveram para entulhar os poços de Isaque, eles poderiam ter cavado para eles. Mas a vida do invejoso é assim; ele se esforça mais em prejudicar o outro do que com suas próprias conquistas. Por outro lado, Isaque não se deixou levar pela inveja dos filisteus, ele perseverou em busca dos seus objetivos, até que os invejosos desistiram de entulhar seus poços, e o melhor, ele encontrou poços melhores. Quem sabe você é alguém consumido pela inveja, se aborrece ou entristece quando alguém está sendo abençoado. O Espírito Santo quer realizar uma obra de transformação em sua vida e fazer com que seus frutos sejam produzidos em você Gl 5.22-23. Uma vida cheia do Espírito é cheia de gozo, de contentamento com aquilo que possui e de alegria com o que o outro tem. Ou quem sabe, você parou na caminhada por causa dos invejosos, desistiu dos seus sonhos porque sempre se levanta alguém contra, volte a sonhar! Não se contamine com o veneno dos outros, coloque sua vida aos cuidados de Deus como fez Isaque e se assegure na aliança que você tem com Ele.
Como corpo de Cristo, a minha vitória precisa ser a sua vitória, a minha luta a sua luta 1Co 12.26. Oremos nesse momento uns pelos outros e vamos juntos compartilhar nossos sonhos e conquistas pois somos de um só time; o Reino de Deus. Em Cristo Jesus, nossa grande vitória. Até a última casa!  
                                                                                                    Pr. Luiz Antonio

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Carta Pastoral 067 - Fidelidade



Carta pastoral – Setembro de 2017 – ano II – 067
Série “Viver Cristo em tempos de crise”
“Fidelidade”
Textos para ler: Dt 7.9; 1Rs 8.56; Sl 89.1; 2Tm 2.13; Ap 2.10
Queridos e amados irmãos, que a graça e paz do Senhor seja sobre sua vida e sua família.
Uma das palavras mais ouvidas nos últimos dias no Brasil, tem sido “delação premiada”. Pessoas presas por crimes de corrupção negociam com a justiça, entregar outros criminosos, em troca de liberdade ou atenuação da sua pena. Temos visto homens que eram parceiros, amigos íntimos e fiéis escudeiros se voltarem contra antigos companheiros quebrando pactos de fidelidade e cumplicidade. A infidelidade é marca sempre presente na vida do homem sem Deus – e em nós???.
O Espírito Santo me levou a refletirmos um pouco sobre FIDELIDADE. Você se considera uma pessoa fiel? Até onde vai a sua fidelidade com o próximo e principalmente com Deus? analisemos alguns aspectos da fidelidade e vejamos onde precisamos melhorar:
1.  Fidelidade com Deus 2Tm 2.13. Em toda a história bíblica, vemos a fidelidade como um dos atributos mais visíveis em Deus. Mesmo diante do pecado e desobediência de Israel, Ele nunca quebrou sua aliança com seu povo. A fidelidade de Deus não é movida pela ação humana, mas pelo seu próprio caráter que permanece fiel independente de nossa condição. Mas como está a nossa fidelidade para com Deus? temos correspondido à sua fidelidade? Temos manifestado essa fidelidade entre as gerações? Temos amado a Deus acima de todas as coisas? Em Apocalipse 2.10 vemos que a fidelidade é a condição necessária para recebermos a coroa da vida e precisamos ser imitadores de Deus como filhos amados Ef 5.1.
2.  Fidelidade com o próximo 1Sm 19.1-7. Um dos belos exemplos de fidelidade com o próximo, é o de Jônatas e Davi. Jônatas colocou em risco sua vida e seu relacionamento com seu pai para defender Davi. Até que ponto estamos dispostos a assumir riscos para manter nossa fidelidade com nosso familiar, cônjuge ou irmão em Cristo? Davi também manteve sua fidelidade com Jônatas mesmo depois que este estava morto 2Sm 9.1. A exemplo de Davi, precisamos ser fieis ao próximo mesmo quando não somos os beneficiados. Lamentavelmente, no meio dos cristão há infidelidade nos negócios, nos compromissos e nas amizades. Há uma carência grande de pessoas em que se possa confiar para abrir o coração e confidenciar algum segredo ou confessar algum pecado. Devemos fazer a diferença neste mundo, pois fomos chamados para ser luz e Deus condena todo tipo de infidelidade Rm 1.31-32.
3.  Fidelidade com a missão At 20.24. Todos nós recebemos talentos, dons e ministérios para sermos usados na obra do Senhor, mas como tem sido a nossa fidelidade com o que recebemos de Deus? O apóstolo Paulo é um grande exemplo de fidelidade para com a missão e o ministério que recebera do Senhor. Mesmo diante das maiores adversidades ele se manteve fiel com a missão que Deus lhe confiara. Quem sabe, Deus tenha lhe dado o dom de cantar, de pregar, te deu a missão de interceder, de liderar um GCEU ou algum ministério. Você tem sido fiel com aquilo que Ele te deu? Leia Mt 25.14-30.
A infidelidade entre políticos e os homens ímpios pode até não nos surpreender, mas não podemos imitá-los. Jesus nos convoca a sermos fiéis em todos os aspectos, pois Ele é nosso maior exemplo de fidelidade para com Deus Mt 26.39, com o próximo (nós) Ap 1.5 e com a missão Jo 17.4. A cruz de Cristo aponta para a fidelidade de Deus para com a humanidade e como seus discípulos devemos manifestar essa fidelidade através da nossa pregação e de nossas vidas. Em Cristo Jesus, Fiel e Verdadeiro. Até a última casa!
                                                                Pr. Luiz Antonio

Seguidores